Feliz e triste ao mesmo tempo? Como assim?
agosto 4, 2017
Na companhia da solidão
agosto 8, 2017

Fica quieto menino

Como é difícil a arte de ser pais, essencialmente mãe. Sobre educação de filhos, com muita frequência ouço pais dizerem “O que eu fiz de errado?”. Nada! Nunca haverá erros na educação dos filhos, pois não há receitas, roteiros, manuais ou guias. Tanto que, mesmo criados juntos, cada filho é de um jeito, uns terão sucesso, outros nem tanto. Se gêmeos, um pode virar polícia e o outro bandido. Nossa! Então está fácil, como mãe, me isento de responsabilidades. Bom, também não é bem assim. Quis dizer que não há um modelo ideal. O que devemos fazer é ensinar valores éticos e morais para viver em sociedade. Alguns podem chamar de educar, mas eu chamo de conduzir, essencialmente pelo exemplo. Não adianta eu fumar e dizer que fumar faz mal e que eu posso porque sou adulto. Não adianta eu encher o carrinho de compras de “gordices” e ficar chamando a atenção da minha filha dizendo que ela vai engordar. O mesmo se aplica para o álcool e drogas. Se não quer para o seu filho, não dê o exemplo indesejado. Se acreditar que, realmente, não há problemas com o seu comportamento, justifique suas escolhas, explique as consequências e permita-lhes fazer as próprias escolhas, porque você querendo ou não, eles farão!

A questão é que pais são “referências” inquestionáveis para as crianças, portanto se não quer que seus filhos sejam como você como você, – no que não deseja para eles –  fique atento ao seu comportamento.

Um especial cuidado deve ser dispensado às repressões ou à falta de limites. Enquanto um pode desenvolver um indivíduo sem atitudes, o outro pode torná-lo sem limites.

De fato, há uma parcela que os pais são responsáveis, comentada acima, porém todos temos nossa personalidade e individualidade. A fronteira da vontade dos pais termina onde começa a dos filhos. Ficarão, e por vezes não, sob controle enquanto menores, mas quando se “sentirem” donos do próprio nariz – o que não tem relação com a maioridade – começarão mostrar as “garrinhas”.

O assunto é muito amplo e complexo para resumir em poucas linhas, peguei em uma praia, somente um grão de areia com uma pinça, mas é necessária muita inteligência, sobre tudo emocional, para conduzir os filhos a uma vida digna e feliz, mas nunca definir a vida que queremos para eles. Você querendo ou não, eles farão as próprias escolhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *